28 de ago de 2009

Instalar o PyCUDA no Ubuntu 9.04


Fonte: http://wiki.tiker.net/PyCuda/Installation/Linux/Ubuntu

1) Instalando o NumPy

$ sudo apt-get install python-numpy -y

2) Baixando, decompactando e instalando PyCUDA

Instalando as bibliotecas necessárias…
$ sudo apt-get install build-essential python-dev python-setuptools libboost-python1.37-dev -y
Baixando (http://pypi.python.org/pypi/pycuda/0.93rc3) e descompactando PyCUDA
$ tar xzvf pycuda-0.93rc3.tar.gz
Configurando, construindo e instalando
$ cd pycuda-0.93rc3
$./configure.py --cuda-root=/usr/local/cuda --cudadrv-lib-dir=/usr/lib/ --boost-inc-dir=/usr/include/ --boost-lib-dir=/usr/lib/ --boost-python-libname=boost_python-mt --boost-thread-libname=boost_thread-mt
$ make -j 4
$ sudo python setup.py install

21 de ago de 2009

Instalando o Subversion com Apache 2 e SSL no Ubuntu 9.04

I) Atualizando e instalando os pacotes utilizados

Para atualizar os repositórios do apt e instalar quaisquer atualizações disponíveis:

$ sudo apt-get update
$ sudo apt-get upgrade


Os pacotes necessários são:
1) subversion – pacote contendo arquivos binários, ferramentas de administração svnadmin e distribuição svnserve;
2) libapache2-svn – módulos mod_dav_svn e mod_authz_svn que permitem o acesso aos repositórios através do protocolo http e https via WebDAV;
3) apache2 – servidor web. Veja mais em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Servidor_Apache;
4) ssl-cert – pacote que permite a instalação de outros pacotes que precisam criar certificados SSL. Leia também sobre OpenSSL.

Para instalação desse pacotes:

$ sudo apt-get install subversion libapache2-svn apache2 ssl-cert


II) Abilitando o suporte ao SSL

Para habilitar o suporte a SSL no Apache 2 é necessário criar um certificado digital utilizando o comando make-ssl-cert e um arquivo modelo de configuração. Por padrão o Ubuntu 9.04 já traz este modelo em /usr/share/ssl-cert/ssleay.cnf com o seguinte conteúdo:
#
# SSLeay example configuration file.
#
RANDFILE = /dev/urandom
[ req ]
default_bits = 1024
default_keyfile = privkey.pem
distinguished_name = req_distinguished_name
prompt = no
policy = policy_anything
Não há problemas caso você não faça nenhuma modificação neste modelo.
Crie o diretório onde o certificado será criado:

 
$ sudo mkdir /etc/apache2/ssl

Agora, utilizando o make-ssl-cert e o modelo no arquivo ssleay.cnf vamos criar o certificado armazenando-o no arquivo apache.pem:

$ sudo make-ssl-cert /usr/share/ssl-cert/ssleay.cnf /etc/apache2/ssl/apache.pem

Surgirá uma tela, como a figura abaixo, onde será solicitado o nome do servidor. Você pode preencher com o IP da máquina se desejar.









Para definir a permissão ao arquivo.

$ sudo chmod 660 /etc/apache2/ssl/apache.pem


III) Configurando Apache 2 e habilitando o SSL
Verifique se o Apache 2 para que seja habilitada o suporte a porta 443. Para isso visualize o arquivo ports.conf no diretório do Apache 2:

$ gedit /etc/apache2/ports.conf

Seu arquivo deverá estar como mostro abaixo:
NameVirtualHost *:80
Listen 80

# SSL name based virtual hosts are not yet supported, therefore no
# NameVirtualHost statement here
Listen 443

Para habilitar o módulo de suporte ao SSL no Apache 2 é necessário utilizar o script a2enmod. O a2enmod criará um link simbólico no diretório /etc/apache2/mod-enabled. Para desabilitar um módulo utilize o script a2dismod. A linha de comando é:

$ sudo a2enmod ssl

O último passo da configuração do Apache 2, para o perfeito funcionamento do SSL, consiste em criar o arquivo svn em /etc/apache2/sites-available, este arquivo deve conter as configurações para a porta 443, ou seja, a porta ao qual definimos como responsável pelo SSL.

Para isso vamos copiar o arquivo default que está em /etc/apache2/sites-available para o arquivo svn.

$ sudo cp /etc/apache2/sites-available/default /etc/apache2/sites-available/svn

Agora edite o arquivo utilizando, por exemplo, o gedit:

$ sudo gedit /etc/apache2/sites-available/svn

Altere a linha VirtualHost *:80 para VirtualHost *:443 e logo abaixo adicione as linhas:
SSLEngine on
ServerSignature On
SSLCertificateFile /etc/apache2/ssl/apache.pem

Vamos entender cada uma das três linhas acima:

1) SSLEngine on – Ativa se definida como “on” a utilização do protocolo SSL/TLS;
2) SeverSignature On – Ativa ou desativa a exbição da assinatura do servidor, ou seja, a linha que exibe as configurações do Apache. Por exemplo: Apache/2.2.9 (Ubuntu) DAV/2 SVN/1.5.1 PHP/5.2.6-2ubuntu4.1 with Suhosin-Patch mod_ssl/2.2.9 OpenSSL/0.9.8g Server at 192.168.0.30 Port 44. Na influencia no funcionamento do servidor;
3) SSLCertificateFile – Define o caminho para certificado.

Após a criação do arquivo svn, então é necessário habilitá-lo no Apache 2. Para isso utilize o script a2ensite. Este script habilita arquivos que contenham o bloco no Apache2. Para desabilitar um arquivo de configuração utilize o script a2dissite. A linha de comando é esta:

$ sudo a2ensite svn

Reinicialize o Apache 2 com o comando:

$ sudo /etc/init.d/apache2 force-reload

Caso ocorra algum erro, então consulte o arquivo de log do Apache 2. Este arquivo está localizado em /var/log/apache2/error.log.

Teste seu servidor, digitando no navegador o endereço IP precedido por https, por exemplo: https://200.45.202.123.





Você poderá ver uma página como a da figura abaixo. Fique tranquilo! Essa mensagem não reflete um problema em seu servidor. Na verdade a mensagem é exibida, pois você configurou um certificado próprio (auto-assinado) e não foi emitido por uma autoridade certificadora, como é o caso de sites que utilizam certificado homologado pela VeriSign. Apenas clique no link “você pode adicionar uma exceção” e depois no botão “Adicionar exceção…”. Aparecerá seu endereço IP. “Clique em verificar certificado” e logo em seguida, clique no botão “Confirmar exceção de segurança”. Pronto.













Configurando o Subversion

Vamos criar um repositório de teste para que possamos garantir a correta instalação (e na sequência vamos finalizar a instalação). Para criarmos um repositório é necessário criar um diretório e a partir dele, alterarmos o “proprietário” do diretório e definir as permissões. Após estes passos, então poderemos adicioná-lo ao Subversion com o comando svnadmin. Com o svnadmin é possível manipular usuários, projetos, repositórios e acessos.
$ sudo mkdir /var/svn/teste
$ sudo chown -R www-data:www-data /var/svn/teste
$ sudo chmod -R g+ws /var/svn/teste
$ sudo svnadmin create /var/svn/teste

Agora vamos habilitar a autenticação no Apache 2. O htpasswd é o responsável pela criação e atualização de arquivos que armazenam o nome de usuário (login) e a senha para autenticação via HTTP.
$ sudo htpasswd -c -m /etc/apache2/dav_svn.passwd admin


Importante, este comando serve apenas para quando se está criando o primeiro usuário, para outros usuários deve ser utilizado o mesmo comando sem a opção -c , pois ela faz a criação do arquivo, deve ser utilizado apenas a opção -m para que a senha armazenada seja com HASH MD5

Repare que no final da linha, após o caminho, existe o nome de usuário utilizado, ou seja, admin. Após executado comando acima, será solicitada uma senha. Evite esquecer a senha.
Após a definição da senha, então devemos editar o arquivo dav_svn.conf para habilitar o WebDAV e o SVN no Apache 2.

$ sudo gedit /etc/apache2/mods-available/dav_svn.conf
Agora altere o arquivo dav_svn.conf para a estrutura como mostrada abaixo:

DAV svn
SVNParentPath /var/svn
AuthType Basic
AuthName "Repositorio da Logica Digital"
AuthUserFile /etc/apache2/dav_svn.passwd
Require valid-user
SSLRequireSSL


Entendendo as linhas de configuração:

1) Como o repositório deve aparecer no navegador, no caso irá aparecer https://ip-do-servidor/svn;
2) DAV svn – habilita o repositório;

3) SVNParentPath – utilizado para múltiplos repositórios;
4) AuthType Basic – define o método de autenticação de usuário. É possível inclusive utilizar LDAP para habilitar Single sign-on. Prometo que farei um post sobre essa configuração;
5) AuthName – serve apenas como descritivo;
6) AuthUserFile – caminho do arquivo criado pelo comando htpasswd;
7) Require valid-user – confi
guração para que apenas usuários autenticados tenham acesso ao repositório. É possível tornar o servidor acessível à usuários anônimos, porém eu não acho uma boa prática;
8) SSLRequireSSL – obriga que a comunicação com o servidor de controle de versão seja feita sobre o protocolo SSL.

Após configurado o arquivo de integração entre o Subversion e o Apache 2, então é necessário reinicializar o Apache 2:

$ sudo /etc/init.d/apache2 force-reload

Acesse, através do seu navega
dor, o endereço https://ip-do-servidor/svn/teste. Assim você estará testando seu novo servidor de controle de versão com Subversion. Caso ele esteja funcionando corretamente, após a autenticação, será exibida uma página como abaixo:











Pronto. O servidor de controle de versão com Subversion, Apache 2 com SSL no Ubuntu Intrepid Ibex está funcionado. O próximo post virá com dicas de utilização.

Fontes:
1) http://andreferraro.wordpress.com/2009/04/05/linux-instalando-o-subversion-com-apache-2-e-ssl-no-ubuntu-intrepid-ibex-ubuntu-810/
2) https://help.ubuntu.com/9.04/serverguide/C/subversion.html

3) http://moisesfontana.blogspot.com/2007/09/mover-repositrio-do-svn-entre.html

4) https://help.ubuntu.com/9.04/serverguide/C/subversion.html
5) http://linuxieu.blogspot.com/2009/06/ubuntu-subversion.html

10 de ago de 2009

Como fazer o checkout (SVN) de um projeto utilizando o Eclipse subversion

Versões de software utilizadas:
Ubuntu (Jaunty)
Eclipse Galileo
Subeclipse 1.4.x

Baixe o Eclipse
http://www.eclipse.org/downloads/download.php
Como esta versão não precisa ser instalada, descompacte em uma pasta e execute o eclipse.

Instale o Subeclipse
Vá em Windows -> Preferences -> Install/Update -> Avaliable Software
clique em Add, e digite:
Name: Subversion
Location: http://subclipse.tigris.org/update_1.4.x
Agora vá em Help -> Install New Software
Em Work with selecione Subversion como na imagem abaixo

Check os 3 ítens referentes ao subversion e clique em next -> next -> finish
Pronto, o subeclipse está instalado

Existem duas formas de iniciar um projeto de software utlizando o subeclipse:

1) Criar um novo projeto SVN diretamente apartir do repositório SVN
Clique File -> New -> Project -> SVN - > Checkout Projects from SVN
Selecione create a new repository location, digite o endereço do repositório
A seguir aparecerá o conteúdo do repositório, selecione a pasta do programa, aquela que contem os arquivos e diretórios do sistema (src, Debug, etc).
Selecione Check out as a project in the workspace, você alterar o nome do projeto que aparecerá na sua máquina, next -> finish.

2) Importar um projeto local já "checkado"
Caso você já tenha feito o ckeckout do seu projeto na sua máquina local. OBS: Isso pode ser feito através de programas svn client como o Tortoise (para windows) ou o rapidSVN (para linux).
Altere o workspace para o diretório no qual está contido o seu projeto: File -> Switch Workspace
Vá em File -> Import -> General -> Existing projects into workspace
Agora clique em Browse e selecione a pasta do projeto, o diretório aparecerá checkado como na figura abaixo, clique em Finish.



Se tudo ocorreu bem você terá o seu projeto já devidamente configurado e com os ícones personalizados assim como na imagem abaixo.



Sucesso a todos
Matheus Rosendo


Como configurar o OSG em Linux

Este tutorial foi escrito utilizando as seguintes versões de sistemas:
Eclipse Galileo
Ubuntu (Jaunty) 9.04
OpenSceneGraph 2.8.2
Cmake 2.6

Instale o compilador g++ e o CMake
Use o seguinte comando:
#apt-get install g++
#apt-get install cmake


instale a OpenGl Utility Toolkit
#apt-get install freeglut-dev

Instale as dependencias do OSG:
#apt-get install libtiff4-dev
#apt-get build-dep openscenegraph

Instale o OSG
Baixe o arquivo OpenSceneGraph-2.8.2.zip em http://www.openscenegraph.org/projects/osg/wiki/Downloads
Crie uma pasta chamada osg e descompacte o arquivo nesta pasta
Entre na pasta osg e rode o CMake  
#cd osg  
#ccmake OpenSceneGraph-2.8.2

Caso ocorra o erro: "ccmake: command not found", instale o cmake-curses-gui e tente de novo

# apt-get install cmake-curses-gui

 

Pressione "t" para ver a lista completa de variáveis
vá até o item OPENGL_glu_LIBRARY e coloque ao lado a seguinte path: /usr/lib/libGLU.so


Para que as bibliotecas sejam instaladas no diretório padrão vá até o item CMAKE_INSTALL_PREFIX e coloque ao lado: /usr

Pressione "c" para configurar e então pressione o "g" para gerar o Makefile.

Volte para o terminal com o diretorório corrente "osg"
Agora rode o comando make para compilar a biblioteca e instalá-la no sistema.
#make
#make install (caso ocorra algum erro por falta de privilegios de administrador digite #sudo make install)

Reinicie o computador

Instale o java
Obs: Caso ainda não tenha instalado (necessário para rodar o Eclipse)
#apt-get install sun-java6-jre

Instale e configure o Eclipse
Como no momento em que este artigo foi escrito a versão do eclipse estava desatualizada no repositório do debian, utilizaremos a última versão do eclipse cdt para desenvolvedores C++ disponível em http://www.eclipse.org/downloads/download.php. Esta versão não precisa ser instalada, apenas descompacte o conteúdo do arquivo (pasta eclipse), entre na pasta eclipse e rode o arquivo eclipse

Crie um novo projeto C++
Vá em File -> New -> C++ Project, digite "osgteste" em Project Name, Finish.


Adicione as bibliotecas OSG
Entre em GCC C++ Linker-> Libraries, para cada biblioteca clique no botão Add e entre com o nome. Nesta versão (2.8.2) são elas:
OpenThreads, osgAnimation, osgFX, osgManipulator, osgShadow, osgTerrain, osgUtil, osgVolume, osg, osgDB, osgGA, osgParticle, osgSim, osgText, osgViewer, osgWidget


Rode um exemplo
Substitua o conteúdo do arquivo osgteste.cpp criado pelo eclipse pelo conteúdo de um dos exemplos osg, como por exemplo, o osganimationmakepath. Este e mais vários outros exemplos estão disponíveis para download em
http://www.openscenegraph.org/projects/osg/wiki/Support/UserGuides/Examples. Com o projeto selecionado vá em Project -> Build Project para compilar e então pressione Ctrl + F11 para rodar o exemplo.
Pronto! Se tudo deu certo você verá uma bolinha se movimentando pela tela.

Sucesso a todos!
Matheus Rosendo

9 de ago de 2009

Dicas para instalar drivers da nVidia no Linux


Para instalar os drivers de placas gráficas da nVidia no Linux (no meu caso Ubuntu 9.04), às vezes, é preciso "derrubar" a interface gráfica antes. Isso pode ser feito facilmente com os comandos descritos a seguir.

Inicialmetne é preciso baixar os drivers no site da nVidia (
www.nvidia.com). Para o driver da placa, acesse este link. Se desejar instalar também os drivers para CUDA, use este link. Observe que será necessario, para o CUDA, instalar: (1) o driver, (2) o toolkit e (3) o SDK. nessa ordem.

Feito os downloads, abra um terminal e digite

$sudo /etc/init.d/gdm stop

para derrubar a inteface gráfica.

Depois pressione Alt+F2 para voltar ao prompt. Faça o login novamente se for solicitado.
Então, a partir do diretório onde foram salvos os drivers baixados, use algo como

$sudo sh nome-do-arquivo-do-driver-baixado.run

para rodar o instalador.

Bom, aí o programa de instalação irá fazer algumas perguntas, possivelmente vai compilar o núcleo do driver, vai perguntar se você quer que ele atualize o arquivo de configuração xorg.config,etc.

De forma semelhante, você pode instalar os driver para CUDA, o Toolkit e o SDK.
Depois de finalizado, use


$sudo /etc/init.d/gdm restart

para reiniciar a interface gráfica.

Fui
!